DEOPS/SP: Os arquivos perdidos da ditadura
Edição: nº 2 - setembro/2013
 
 

 
 
 
 
 
 

Home> Matéria

Arquivos perdidos da ditadura

Ap√≥s a abertura pol√≠tica brasileira, iniciativas de v√°rios tipos foram tomadas para impedir o acesso aos arquivos da repress√£o. O caso do DEOPS/SP √© um exemplo: o arquivo da institui√ß√£o foi transferido para a Pol√≠cia Federal, junto com um dos seus antigos diretores, Romeu Tuma, e l√° ficou at√© 1991, quando veio para o Arquivo P√ļblico do Estado de S√£o Paulo gra√ßas √† luta de v√°rias organiza√ß√Ķes de ex-perseguidos e familiares. Esse caso expressa a t√īnica geral no tratamento aos arquivos da repress√£o: manter o sigilo da documenta√ß√£o. Seja por meios oficiais, ou por a√ß√Ķes individuais, uma quantidade ainda desconhecida de documentos relacionados √† repress√£o do per√≠odo da ditadura civil-militar continua sem possibilidade de consulta p√ļblica no pa√≠s. A manipula√ß√£o inadequada desses arquivos nos faz acreditar que eles ainda existam, mas a forma com que ela se operou impede a sua localiza√ß√£o.

Um caso emblem√°tico desse tipo de situa√ß√£o √© o das atas da Comiss√£o Especial de Investiga√ß√£o Sum√°ria (CEIS) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). A CEIS, institu√≠da em 1964, tinha a fun√ß√£o de realizar um expurgo dos ‚Äúelementos comunistas‚ÄĚ do quadro da universidade logo ap√≥s o golpe. Apesar de longamente buscados por professores e alunos da institui√ß√£o cassados do quadro da universidade por decis√£o da CEIS, esses pap√©is s√≥ vieram a p√ļblico em 2010, quando um pesquisador os encontrou no centro de documenta√ß√£o da Universidade de Caxias do Sul (UCS). A trajet√≥ria desse acervo at√© chegar ao amplo conhecimento p√ļblico √© bastante ilustrativa dos caminhos percorridos para oculta√ß√£o de arquivos da repress√£o. A documenta√ß√£o, de car√°ter p√ļblico, foi desviada por um dos professores que fez parte da CEIS, e ficou guardada em seu acervo pessoal. Quando de sua morte, a fam√≠lia vendeu o acervo, onde estavam inclu√≠das as atas, para a UCS. A partir da√≠, esse material foi para o centro de documenta√ß√£o e pesquisa da universidade, mas como n√£o se sabia da exist√™ncia dessa parte do acervo e de sua import√Ęncia, ela ficou por muito tempo perdida, mesmo que acess√≠vel. Finalmente um pesquisador, que identificou sua import√Ęncia, o encontrou por acaso ao investigar aquele centro de documenta√ß√£o.

Assembléia de trabalhadores em greve no ABC paulista

Assembléia de trabalhadores em greve no ABC paulista

√Č sabido que dentre as medidas de ocultamento de arquivos utilizadas pelos integrantes do aparato repressivo, a destrui√ß√£o e queima de documentos tiveram papel de destaque. Em raz√£o disso, por muito tempo se acreditou que informa√ß√Ķes importantes tinham se perdido para sempre. Mas esses desvios de acervos para particulares demonstram como a pr√≥pria l√≥gica da repress√£o criava uma capilaridade dessa documenta√ß√£o. Muitas vezes, isso permitiu que parte desses documentos resistisse √† a√ß√£o sistem√°tica para sua destrui√ß√£o.

 

Voltar Imprimir